domingo, 6 de maio de 2012

Inventário

Husey . Pisac .Uma paixão insensata. Todas as histórias do Corto Maltese e do Enki Bilal. A estrada sessenta & seis. Praga e os seus telhados. Uma moto BMW com tecnologia boxer. .A Bolívia. Voar ( ser o Icaro por instantes - sem caír ) . A Compostela . Um loft junto ao rio Tejo . Sevilla,naranjas y un reloj terco. Inês . O cabo Horn e os seus fantasmas. Pemba . As portas de Tétouan,os vendedores de tapetes dos soukhs e um chá de menta. Os opiários de Macau & os incensários de Lotse. A biblioteca de Babel .Pessanha . A ilha de Oeno . As cidades geladas do Báltico .O extremo Oriente. A grande alegria , Os palácios de Inverno do Czar Alexandre . Glen Coe . Uma viagem de circum-navegação. Uma viagem de elefante . Saigão . O expresso da reunificação . Angkor Wat . Borobudur . Café quente. Vinho tinto. O mar de coral . A grande muralha da China , As ilhas salomão . Um jardim de chá. Champagne. Absinto. Nougat. Brie & confit de mirtilles. O monte Fuji .La Digue. Moscovo . São Petersburgo . A baía da Guanabara. Memórias de Montevideu. O langor do ópio. A linha de Capricórnio. Masai Mara. Abidjan . La sereníssima. A pequena sereia e os lagos que Nils Olgersson sobrevoou com Akka. Dubrovnik. Leopoldville. A India , A bela acrópole , Um Jack Russell chamado Bóris Godunov e um gato persa de olhos doirados que se há-de chamar Arquimedes ( labradores nunca mais.). Sidney , A grande pirâmide de Queops , Auckland. Claromeco. Uma conta bancária em Berna. O Ganges. O teste de Cooper simplificado . Zanzibar e um prato de caril. Loch Ness. Mariana . Os blues de Nova Orleans. Machu-Pichu ou outra cidade proibida , Chefchaouen , Potosi . Uyuni Atacama . Delhi. Bora-Bora. Sarajevo . Fitzroy . Mahé . As manhãs de Roma. O canal do Panamá . Ushuaia. Talinn. A aurora boreal . A cidade do cabo . As montanhas do Laos . Huancayo . Os mosteiros todos de Luang Prabang . As variadas linhas do Equador. Córdoba . Granada. Os surrealistas franceses & os clássicos russos. Angkor Wat .Os órfãos de Fuerteventura. Porto Alegre . A descoberta da cura do cancro . As medinas azuis do Riff. Um chá no deserto . Stonehenge .O país basco . Sigulfjordur .Rannoch Mor . Casablanca . Inongo , o lago Mai N'dombe e a rede eléctrica. O estreito de Magalhães. As ruas de Lisboa. Uma caneta chamada Edgar Allan Poe. Um relógio de corda . Ronda . Reykyavicq . Um tarot de Marselha. A Patagónia Argentina . Santiago do Chile. Uma casa chamada «velhice» :uma casa feita de pedra no sopé de uma montanha afastada do mar e de todas as recordações. Ana Leonor . As estranhas linhas de Názca . Um veleiro azul & branco que se há-de chamar Epiphannia . O fim da fome ou , no mínimo , a democratização da saciedade. Paris e algumas estultícias. Atenas. Mykonos. Santorini. A captividade na tua ausência & a liberdade nos teus braços. Rapa Nuï . Um lago chamado Baikal . Arles , Luang Prabang , Borodur , Cartago , Te Anau ( Milford Road - Fjordland ) , Pagan , Tahiti , O mar vermelho. A grande barreira de coral. A tristeza,às vezes, nos (m)teus olhos. Búzios. Um cigarro de haschisch. O desejo mortificado . Um grande desprendimento. Titicaca . Ulururu . Nullarbor. Uma viagem de balão . João Rui . O propósito da chuva que cai no mar. Um quarto na América do Sul e ouviam-se pássaros e o trote de um cavalo todas as manhãs,nunca cheguei a saber se faziam parte da minha imaginação. O Rio de Janeiro. A cidade do México . Angra dos Reis. Os cinco devires. Um coupé dos anos setenta. Amesterdão. Os lagos andinos . O rio das pérolas . San Carlos de Bariloche. Cinqueterre . A costa de Amalfi e as suas tergiversações. Istambul e os porteiros de plantão. .O eléctrico 28 . Hannói. Jerusalém . Abbou Simbel. A tua alma ou um pedaço dela. Nova Iorque e uma garrafa de vinho. Petra . Alguns amigos. La Digue. Porto Santo . Um livro amarelo escrito até ao fim. Uma pequena biblioteca ( com estantes altas ) no meu coração . Francisco .O tango . As ruas de Buenos Aires . O circulo polar ártico . As núpcias do desencanto. De Bergen a Kirkenes ( a viagem mais bonita do mundo ) Budapeste. O outono em Pequim . O Transiberiano e os seus apeadeiros , A esfinge de Ghizza , O Taj Mahal , As ilhas Marquesas . O torpor depois do amor . A rainha do gelo . A senhora do frio. "

1 comentário:

  1. « O sonho é a pior das cocaínas, porque é a mais natural de todas. Assim se insinua nos hábitos com a facilidade que uma das outras não tem, se prova sem se querer, como um veneno dado. Não dói, não descora, não abate – mas a alma que dele usa fica incurável, porque não há maneira de se separar do seu veneno, que é ela mesma. » Bernardo Soares , O livro do desassossego .

    ResponderEliminar